terça-feira, dezembro 11, 2007

As dispensas

Começa a ganhar forma o emagrecimento do plantel do Benfica. Para começar, Miguel Vitor, Romeu Ribeiro e Yu Dabao parecem ter residência garantida na Vila das Aves durante o próximo semestre. Vamos por partes. Sem grandes análises técnicas e qualitativas, Miguel Vitor deverá ter maior facilidade em entrar no 11 e cumprir o objectivo do empréstimo: ganhar ritmo de jogo. Digo isto porque, historicamente - pelo menos no que toca ao Benfica - foram sempre os centrais quem maior facilidade tiveram em assegurar a titularidade noutras paragens. Fica, no entanto, a dúvida sobre a evolução que o jovem poderá conquistar na Liga de Honra. Será que, nesta fase de crescimento, o Benfica não ganha mais em ter o jogador a manter ritmo nos juniores e acompanhar o seu crescimento através dos treinos nos séniores? A norte, não irá cair no esquecimento? O mesmo se aplica a Romeu, aqui com uma agravante: o Benfica terá provavelmente que ir ao mercado. Diego Sousa não tem vontade de regressar, Bynia deverá marcar presença no CAN e Katsou, além de médio, é, cada vez mais, a primeira opção para o eixo defensivo no caso de existirem lesões ou castigos. Resta esperar, e assim se deseja, uma rápida e milagrosa adaptação de Filipe Bastos. Já o chinês precisa mesmo de ser emprestado, mas deveria ser o Benfica a procurar o parceiro ideal. O Desportivo das Aves actua esta época com ponta de lança fixo? Joga em ataque organizado? O ano passado não o fazia...

Os argentinos também vão ser emprestados e, pasme-se, o Benfica prepara-se para fazer tudo ao contrário. Andrés Diaz, tremendo erro de casting, deve ficar em Portugal. Já Bergessio volta à Argentina. O avançado tem levado toda a gente ao desepero, eu incluído, mas há ali algo que me impele a acreditar na sua utilidade. Não sei explicar o quê, mas agradam-me algumas coisas: o espírito batalhador, a força e as boas desmarcações (sim, coroadas com péssima finalização). Mandá-lo para casa e quebrar o ritmo de adaptação é desistir do jogador.

Coentrão também sai. Pouco a dizer. Está demasiado verde. O Nacional costuma ser um bom palco para rodar, embora Jokanovic não me inspire grande confiança.

Com estas seis saídas, o plantel reduz-se a 24. Mas há ainda Zoro, que também deverá sair. Segundo as últimas informações, não ganhará tanto como inicialmente se pensava, mas continua a ser um peso financeiro excessivo para o que produz. Veio a custo zero, pode levar o passe na mão. Claro que o Benfica deve procurar colocação, mas sempre na perspectiva de entrada de dinheiro. Empréstimo NÃO.

Entretanto, moram quatro jogadores na baliza. Bruno Costa, já se sabe, é para rodar. Por mim ia mais um. Três guarda-redes no plantel são, na minha opinião, algo ultrapassado. A última alternativa deverá ser sempre o guardião dos juniores. O Benfica teria, assim, duas hipóteses. Despachar Butt de vez, que é a que mais me agrada - não esquecer que já temos um guardião emprestado (Moretto) -, ou, para ganhar o devido, e merecido, ritmo de jogo, emprestar Moreira.

Outros jogadores poderiam abandonar, mas isso obrigaria a um desaconselhável excesso de entradas. O que se passou entre Dezembro de 2005 e Janeiro de 2006 deve servir de exemplo. Daí que tenhamos que ficar com Miguelito e Luis Filipe até Junho. No último caso, a ausência de alas direitos ajuda a explicar a necessidade de, contabilizando Maxi Pereira - é aqui que julgo ser mais forte -, manter os três laterais.

Feitas as contas, o Benfica permaneceria com 23 jogadores - 22 se decidissem pela saída de dois guarda-redes -, menos um que o desejado por Camacho. Não acredito, porém, que o Benfica se meta no mercado para ir buscar apenas um jogador. A confirmar-se César Delgado, o Benfica pode matar dois coelhos de uma vez, garantindo uma alternativa a Nuno Gomes e Cardozo, mas também para as alas. Camacho ficaria então livre para optar entre contratar um ala direito ou um médio centro, visto que Maxi Pereira ficaria como sobra para qualquer uma das posições.

2 Comments:

Blogger Edson Arantes do Nascimento said...

Bom, eu já tinha feito um exercício parecido com este e os resultados foram um pouco diferentes. Vamos por partes.

Há jogadores que, manifestamente, não têm qualidade para representar o Benfica e devem sair já - Andres Diaz, Miguelito, Luís Filipe e Bergessio à cabeça, mantenho algumas dúvidas quanto ao Zoro e ao Nuno Assis.

Há outros que estão numa óptima fase para rodar noutros clubes, outras vivências e outras experiências - o trio Dabao, Romeu e Miguel Vítor está, quanto a mim muito bem, confirmado no Desportivo das Aves. Coentrão também vai bem para o Nacional.

Como o Quetzal tentou aflorar, não interessa muito se eles vão jogar sempre a titular ou se, pelo contrário, não têm maneira de actuar no esquema táctico de determinada equipa.

Interessa, sim, o acompanhamento que vão ter por parte do Benfica. Antes e depois. E nisto o Benfica não costuma ser nada fiável.

(Referir um tal de Fillipe Bastos - ! - e desejar 'uma rápida adaptação' a um rapaz de 17 anos que saiu agora do Brasil parece-me quase estapafúrdio: para isso ficava o Romeu Ribeiro na equipa. Este Bastos deve evoluir com calma e ponderação)

Os três keepers estão bem, até porque eu não sei se o Moreira está a defender bem ou mal, talvez nem ele saiba. Não joga há 1 ano - talvez fosse a melhor opção para rodar, ficando o Bruno Costa no plantel (daquilo que me apercebo, os guarda-redes dos juniores, por exemplo, não têm grande futuro).

Estas são as minhas opções: dispensar 10 jogadores (Diaz, Miguelito, Luís Filipe, Bergessio, Zoro e depois os emprestados Moreira, Vítor-Romeu-Dabao e Coentrão). Voltava o Diego Souza, contratava-se um lateral-esquerdo, um extremo-direito e um avançado (o Nuno Assis, apesar de tudo, ficaria).

Mas, como eu não sou o treinador, acho que vai ficar mais ou menos assim.

O Miguelito e o Luís Filipe ficam (relativamente ao último, Camacho já disse que 'não iria contratar nenhum defesa-direito em Janeiro'). Alguém virá para o meio-campo e para o ataque, provavelmente para o meio-campo ofensivo também, especialmente se for um bom negócio e um jogador polivalente (o Dica parece-me que se enquadra(va?) neste perfil).

Quanto ao destino de determinadas peças, Diaz e Bergessio, por exemplo, podem ir para onde quiserem - desde que não voltem para o Benfica, claro. O Zoro (que não vale nem 5 mil euros de ordenado e daí o comentário que fiz a uma publicação do Quetzal neste mesmo espaço) pode ter outra oportunidade, caso demonstre valor para isso (não esquecer que também ele marcará presença no Gana, para participar no CAN'08).

quarta-feira, dezembro 12, 2007 2:51:00 da tarde  
Blogger LF said...

"O apuramento do F.C.Porto para os oitavos-de-final da Champions League foi justo e meritório, além de extremamente positivo para o futebol português. Quanto a isso estamos conversados.
Este facto tem contudo levado a generalidade dos analistas, sempre peremptórios e definitivos, mas nem sempre na mesma medida rigorosos, a incorrer numa mistificação de importa desmontar. Fará em Maio próximo quatro anos que o F.C.Porto de Mourinho se sagrou campeão europeu em Gelsenkirchen, mas daí para cá, neste passado ainda bastante mais recente, o Benfica tem tido melhor desempenho na Europa que os dragões, é a equipa portuguesa com melhor performance europeia, e é inclusivamente o Sporting, muito fruto da sua final de 2005, que surge na segunda posição desta pequena estatística comparativa. Pode parecer estranho – dado o foguetório mediático em torno das “crises” do Benfica e do Sporting, e dos “feitos” do F.C.Porto -, mas os números assim o demonstram.
Neste período de quatro temporadas (2004-2008) o F.C.Porto nunca passou dos oitavos-de-final. O Benfica não só esteve nos quartos-de-final da Champions de 2005-06 , como na época seguinte voltou a chegar a essa fase, mas na Taça Uefa, prova em que o Sporting foi finalista em 2004-05. Se olharmos aos pontos alcançados por uma e outra equipa nas provas europeias, a diferença é esmagadora: o Benfica fez quase o dobro da pontuação do F.C.Porto, ou seja 68 pontos para 37 respectivamente (44 do Sporting). Também em golos marcados ou em jogos jogados a superioridade é clara.
Naturalmente que isto se reflecte no próprio ranking oficial da UEFA. Para a época 2008-2009, no ranking previsional (falta obviamente terminar a presente temporada), o Benfica é o único dos clubes nacionais que figura no top-20, designadamente em 17º lugar. O F.C.Porto é 25º e o Sporting 28º.
Mas se a dúvida do leitor se prende com a qualidade dos adversários que Benfica e F.C.Porto enfrentaram neste período, diga-se que, se os portistas enfrentaram Chelsea (2), Liverpool, Inter (2) e Arsenal, o Benfica teve de se haver com Manchester (2), Liverpool, Barcelona e Milan, e o Sporting com Roma, Manchester, Inter e Bayern.
Aqui está a prova de como o mediatismo de certas ideias nem sempre resiste a uma análise factual e objectiva."

In www.vedetadabola.blogspot.com

sexta-feira, dezembro 14, 2007 3:40:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home