terça-feira, fevereiro 14, 2006

Exibição fraca, vitória justa















Nem sempre é fácil receber o lanterna vermelha. Nunca são considerados favoritos e a calma com que entram no relvado costuma ser favorável ao seu jogo de paciência, assente numa defesa rigorosa e em contra-ataques mortíferos. Isso leva a que, muitas vezes, encontrem nas deslocações aos terrenos dos grandes a oportunidade ideal para lançar a sua recuperação. Não seria o caso deste Penafiel. Futebolisticamente, é uma equipa má de mais para andar por esta competição. Animicamente então... de rastos, praticamente afundada na IIª Liga.

A exibição do Benfica foi globalmente fraca. Polvilhada por alguns momentos de bom futebol mas demasiado escassos para que possa ser considerada razoável. Por um lado, até se compreende. Adversário tenrinho, 120 minutos nas pernas devido à Taça e a fase mais importante da temporada aí à porta. É que mesmo sem jogar mal, a goleada até acaba por se justificar. Talvez com menos um golinho, talvez... Apesar de tudo, serviu este jogo para tirar algumas ilações. Ou confirmar diagnósticos já efectuados.

No ataque, Geovanni voltou a mostrar como é um jogador diferente naquela posição!!! A imagem de marca do "caça-lagartos" foi, ao longo dos anos, a sua inconsistência. A forma como se ausentava do jogo era deveras irritante para quem se habitou a ver na Luz extremos dinâmicos e constantemente em jogo, como Paneira e Poborsky. Talvez agora se perceba porquê. Lá na frente, onde se pode descansar por alguns períodos sem que isso se reflicta no futebol da equipa, Geo parace o mais activo dos benfiquistas em campo, correndo e pressionando desalmadamente. A sua mudança de velocidade continua a ser uma arma mortífera, valorizada por agora ter de rematar em vez de centrar (onde, assuma-se, levava ao desepero as bancadas...). Em antítese, temos Manduca. Trata bem a bola e parece uma boa opção de banco (foi nessa condição que já efectuou uma assistência e um golo). Mas a titular... Lento, sem capacidade de explosão no um para um, incapaz de fazer pressing, revela-se uma perfeita nulidade.

O meio-campo do Benfica é o palco da maior injustiça deste plantel: Karagounis. Como é que se pode pôr este jogador tão longe da baliza? O grego gosta de progredir por entre os adversário mas não prima pela rapidez. E não tem a passada de Manuel Fernandes que lhe permita galopar em direcção à área adversária. O afcto de pressionar e recuperar bolas não deve forçá-lo a jogar mais recuado. Até porque isso é uma mais-valia em terrenos mais adiantados. Koeman parece não perceber isso e o Benfica está a desperdiçar um dos jogadores mais esclarecidos que tem. Uma pena...

Na defesa, destaco Moretto. Não sei se Koeman falou com ele ou se o rapaz passou aqui pelo blog... Mas uma coisa é certa: está mais falador. E ainda bem! De futuro veremos se consegue assumir estatuto de líder e ganhar a confiança da defesa.

1 Comments:

Blogger Edson Arantes do Nascimento said...

O Petit merecia uma palavrinha.

Vou tratar disso um destes dias, prometo.

quarta-feira, fevereiro 15, 2006 2:48:00 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home